terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Travestis menores de idade vendem o corpo livremente nas noites da capital

By: MARINOR BRITO: - 08:25

Share

& Comment


Enize Vidigal

Travestis adolescentes vendem sexo livremente nas ruas de Belém. Nos pontos de prostituição da capital paraense também estão pessoas com aids e dependentes químicas que assaltam clientes para sustentar o vício. Um submundo que passa despercebido aos olhos da população e das autoridades. A principal fonte de renda das trans é o mercado do sexo, que se relaciona intimamente com o tráfico humano, especialmente com destino a São Paulo, mas também à Europa, onde os programas são mais caros. A reportagem foi conhecer essa realidade na madrugada do último dia 27, e colheu histórias surpreendentes de pessoas que foram rejeitadas pela família e pela sociedade, e que encontraram na prostituição o passaporte para realizar o sonho de obter formas femininas com cirurgias plásticas.
Acompanhamos um integrante do Grupo Ellos Pela Livre Orientação Sexual, uma ong que presta assistência aos travestis e transexuais, que distribui camisinhas às trans na madrugada. Os preservativos são recebidos com festa. Numa das esquinas escuras da avenida Almirante Barroso, encontramos a morena que vamos chamar de Stephany, de 24 anos. Ela pediu para não ser identificada. É definida como uma transexual, pois possui seios de prótese de silicone. Ela usa micro-saia e anda com os seios despidos. "Tem gente que vem aqui oferece R$ 100, R$ 200 para transar sem camisinha ou R$ 30 para usar droga com ele (cliente). Quase a metade dos clientes querem (sexo) sem camisinha. Eu não faço (sem preservativo) porque a vida é o que conta, né, amor?", diz.
Stephany conta que viaja a cada quatro meses para São Paulo, onde o programa custa R$ 100. Já em Belém, ela e outras trans contaram que, em média, o sexo oral sai a R$ 30 e a relação com penetração a R$ 50, mas se o cliente quiser que a travesti seja o parceiro ativo da relação, o programa sai mais caro, R$ 80, porque elas não gostam de fazer o papel masculino no sexo. "A maioria dos homens que procuram querem ser mulher", afirma Stephany. O Carnaval é uma das temporadas em que muitas viajam para trabalhar fora do estado. O principal destino é a capital paulista, seguido de Campinas, Anápolis, Goiânia, Curitiba e Rio de Janeiro. Depois de uma temporada, elas voltam às ruas de Belém. "Aqui numa noite dá para ganhar R$ 200 e em São Paulo, R$ 300 a R$ 350", compara Stephany. Ela conta que chegava a ganhar R$ 500 numa noite em Milão, onde ficou por quatro anos. "Eu gastei R$ 72 mil em cirurgias. Já fiz duas próteses (mamárias), tirei costela (para afinar a cintura), fiz o nariz e os olhos. Também fiz uma casa pra minha mãe", conta. A vida na prostituição foi iniciada aos 12 anos e a primeira viagem à Itália aconteceu aos 17 anos, conforme relata. Ela já se prepara para voltar àquele país. "Tem que entrar com visto de turista pra ficar só dez dias e vai ficando", revela.

Enize Vidigal - O Liberal, 06.02.12.

About MARINOR BRITO:

Organic Theme is officially developed by Templatezy Team. We published High quality Blogger Templates with Awesome Design for blogspot lovers.The very first Blogger Templates Company where you will find Responsive Design Templates.

0 comentários:

Copyright © 2015 Marinor Brito

Designed by Templatezy & Copy Blogger Themes