sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Pintados para guerrear, povos do Xingu bloqueiam Transamazônica, ocupam Norte Energia e dizem não à Construção da Usina de Belo Monte

By: MARINOR BRITO: - 03:49

Share

& Comment

Chamados para o Seminário Mundial contra a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, Senadora Marinor Brito e deputado Edmilson Rodrigues, participam do debate e acompanham mobilizações contrárias à construção de barragem na volta grande do Xingu

O sol ainda não havia raiado na floresta, pouco antes das 5 horas da manhã desta quinta-feira (27), quando o grito de guerra de caciques e guerreiros de 18 etnias começava a ecoar. Lado a lado com pescadores e ativistas de movimentos sociais, sindicais, juventude e de ambientalistas vindos dos mais variados lugares da Amazônia, interditaram por mais de 12 horas a rodovia Transamazônica, na altura do Km 50, em Vitória do Xingu (cerca de 950 Km de Belém), em frente às instalações da Norte Energia e em seguida ocuparam o canteiro de obras da empresa.
Como participantes do Seminário Mundial: Territórios, Ambiente e Desenvolvimento na Amazônia, a senadora Marinor Brito e o deputado Edmilson Rodrigues foram convidados pelas lideranças indígenas para o debate e a acompanharem a ocupação das instalações da Norte Energia.
Uma das mesas de debate mais importante, reuniu Marinor Brito e Edmilson Rodrigues com pescadores e caciques de diversas etnias. A posição das lideranças indígenas em tom de chamado para a guerra contra a construção de Belo Monte, deixava claro que se o governo e a justiça brasileira não pararem a obra, os povos da florestas iriam usar seus braços, fogo e sua força para impedir a destruição do rio Xingu.

"Se a caneta não resolver, nos usaremos a força que
dispomos para parar Belo Monte imediatamente!"

- Estamos muito tristes com a presidenta do Brasil. Ela, está fazendo muita coisa errada para nosso povo e esperamos que a justiça em Brasília, pare imediatamente Belo Monte. Se não parar, nos estamos prontos para ir lá e parar e queremos compartilhar com os parlamentares do PSOL a nossa indignação e estender esse convite, pois, não toleramos mais a exploração e a enganação do nosso povo, pois é assim que os governos brasileiros têm tratado os índios durante séculos. Se a caneta não resolver, nos usaremos a força que dispomos para parar Belo Monte imediatamente, disseram em tom de convocação, os caciques.

Em sua fala, a senadora Marinor Brito respondeu ao chamados das lideranças indígenas e deixou claro que a luta para parar Belo Monte é uma das questões de maior interesse do mandato no Congresso Nacional.

Não abrimos mão de lutar pela preservação de rios e florestas, condição
essencial para a sobrevivência dos amazônidas brasileiros.

- Um dos meus primeiros pronunciamentos foi para desmascarar a farsa de Belo Monte e quero deixar claro e no que depender do nosso mandato no senado federal, continuaremos cobrando do governo brasileiro o respeito à vida e ao direito indiscutível dos povos da Amazônia de viverem no Rio Xingu. Não abrimos mão de lutar pela preservação de rios e florestas, condição essencial para a sobrevivência dos amazônidas brasileiros. Fora usina Belo Monte da nossa região! Xingu vivo para sempre! Viva os povos tradicionais!, disse, emocionada, a senadora do PSOL.

Em tom de desabafo e indignação, o deputado Edmilson Rodrigues usou da palavra para ajudar na resistência contra a construção da usina de Belo Monte e afirmou que é companheiro de lutas e está a disposição para resistir juntamente com os povos da florestas à violência do Estado brasileiro.

"Vamos à luta contra a construção de Belo Monte e podem contar com
nosso mandato parlamentar nessa difícil tarefa em que a resistência é o primeiro
passo para sermos vitoriosos"

A resistência indígena é um exemplo de que o povo pode exercer o poder em benefício da grande maioria da população, do povo decidir seu próprio futuro. É por isso, que eles [governo e elite econômica] querem destruir a resistência dos povos da florestas. É por isso que alguns órgãos de comunicação não vão divulgar a violência que os índios estão sofrendo no rio Xingu, porque eles querem dizer para todo mundo que está todo mundo feliz com a construção da usina de Belo Monte. E dizem que em Altamira o povo está feliz, porque vai gerar emprego, trazer felicidade e nós sabemos que isso é mentira. Quem não for rico vai ficar sem casa própria, porque a especulação imobiliária já começou, as crianças já estão fora da escola e que não tem plano de saúde vai morrer nas portas das unidades públicas de saúde. Eles são muitos fortes, mas a nossa capacidade de luta é muito maior, de resistência, de rebeldia, de não aceitar sob hipótese alguma, ver os nossos curumins passando fome nas ruas ou sendo vítima da violência sexual. Vamos à luta contra a construção de Belo Monte e podem contar com nosso mandato parlamentar nessa difícil tarefa em que a resistência é o primeiro passo para sermos vitoriosos, disse Edmilson.

ANÁLISE: BALANÇO POSITIVO

"Saímos de cabeça erguida, fortalecidos. Saímos não por decisão da justiça ou
da meia dúzia de policiais que estão a serviço do grande capital.
Saímos porque a missão que nos demos foi cumprida"

Para Fernando Carneiro, do PSOL e do Comitê Metropolitano do Movimento Xingu Vivo Para Sempre, a radicalização da luta foi um acerto. Segundo Carneiro, há muito que o Brasil e o mundo esperam por um gesto mais enfático contra a construção de Belo Monte. Durante mais de 12 horas o povo mostrou que a luta continua. Que Belo Monte não é um fato consumado.

- Saímos de cabeça erguida, fortalecidos. Saímos não por decisão da justiça ou da meia dúzia de policiais que estão a serviço do grande capital. Saímos porque a missão que nos demos foi cumprida. O recado foi dado: não aceitaremos essa obra faraônica e falaciosa, disse Fernando.

O dirigente do PSOL, afirmou ainda que a ocupação inaugura uma nova fase da luta.

- Agora é o momento de nos fortalecermos na própria região. Devemos intensificar o processo de organização e de conscientização da população local que já sente na pele os impactos dos grandes projetos. Ao mesmo tempo temos que falar para fora, para milhares e milhões que estão indignados com a teimosia de Lula e Dilma. A batalha é dura, mas imbuídos da sabedoria milenar de nossos ancestrais, os índios, venceremos. O vigoroso grito de guerra que lançamos aqui, ecoará por todos os cantos do planeta: PARE BELO MONTE!, disse Carneiro.

About MARINOR BRITO:

Organic Theme is officially developed by Templatezy Team. We published High quality Blogger Templates with Awesome Design for blogspot lovers.The very first Blogger Templates Company where you will find Responsive Design Templates.

1 comentários:

Sandra Cruz disse...

Parabéns ao PSOL, parabéns aos parlamentares do PSOL que encontram força e convicção para denunciar o autoritarismo do governo que diz governar para a maioria do povo brasileiro. O governo que confunde barbaridade com desenvolvimento; que acha que o desenvolvimento tecnológico tem que estar à serviço do capital, mesmo que para isso a floresta, a fauna, as comunidades tradicionais e o povo trabalhador sejam arrancados de suas origens.

Que a luta do povo do Xingu seja vitoriosa! O povo do Xingu resistirá sempre! Fora Belo Monte!

Copyright © 2015 Marinor Brito

Designed by Templatezy & Copy Blogger Themes