terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Marinor Brito ingressará com representação criminal na PGR contra prefeito de Manaus

By: MARINOR BRITO: - 10:34

Share

& Comment

A senadora Marinor Brito, líder do PSOL no Senado Federal, anunciou hoje que ingressará com uma representação na Procuradoria Geral da República contra o prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, pelo suposto crime de preconceito quanto a migrante e discriminação.

O prefeito virou manchete dos principais jornais após discutir com uma moradora, durante visita a uma área de risco na capital amazonense. A moradora questionava como a comunidade poderia ajudar nas ações do Executivo, no que o prefeito respondeu: “não fazendo casa onde não deve”. A mulher rebateu dizendo que as pessoas somente moravam no local por falta de condições e, em resposta, ouviu “então morra, morra”. Ao saber que a moradora era do estado do Pará, o prefeito disse: “então pronto, está explicado”.

Segundo a senadora, a suposta atitude preconceituosa do prefeito reforça o preconceito da sociedade com relação aos migrantes, especialmente as pessoas originárias do estado do Pará, colocando-as em situação de inferioridade em relação aos demais brasileiros.





About MARINOR BRITO:

Organic Theme is officially developed by Templatezy Team. We published High quality Blogger Templates with Awesome Design for blogspot lovers.The very first Blogger Templates Company where you will find Responsive Design Templates.

4 comentários:

phsg-adv disse...

Senadora Marinor,

Sou manauara e me sinto profundamente envergonhado. Esse sujeito que se diz prefeito de Manaus também não nasceu aqui. Vivia como um miserável em um município do Amazonas, como se diz no linguajar do caboclo "bicho do mato". Isso é o que ele era. Mas mesmo assim veio para a cidade de Manaus e teve todas as oportunidades tendo ficado muito rico sendo político, o que é impressionante é que todos esses políticos eram pobres e ficaram ricos da noite para o dia, mas não estou escrevendo com relação a esse assunto. A cidadã paraense que foi ofendida é uma vímita como muitas outras que vivem em nossa cidade. Não é apenas paraense, mas outras pessoas que vem de qualquer canto do Brasil iludidas com a zona franca, achando que aqui tem emprego para todos e não tem. O que revolta que os governos daqui fazem propaganda no Brasil todo dizendo que Manaus é um paraíso o que faz nossos vizinhos acreditarem nessa balela. E o que revolta também é que o pobre que vem de fora não deve ter dignidade em minha terra, mas o rico que vem explorar nossa cidade, e são muitos, podem tudo quando chegam aqui. Eles fazem condomínios devastando todas as áreas verdes que tem dentro de nossa cidade, destroem nascentes de igarapés, e tudo isso autorizado pelos governos municipal e estadual.

Paulo Gadelha.

Paulo Gadelha disse...

Divergindo dos colegas leitores do jornal Acrítica, acredito que a culpa reside principalmente em nossos políticos, não só os amazonenses, mas do Brasil todo. É impressionante que todo político fica rico, muito rico. De castelos a fazendas no Acre. Em um momento o sujeito era pedreiro e depois de virar político vira dono de construtora. É inacreditável. Lembro também que o idolatrado prefeito de Manaus não é filho de nossa cidade, assim como o senador Alfredo Nascimento entre muitos outros. Como eles tiveram oportunidade de chegarem lisos em nossa cidade, por que não ter os nossos vizinhos a mesma sorte e oportunidade. Quero dizer que meu pai era paraense, minha mãe de Parintins e quando eu estava no ventre dela fomos sorteados com uma casa no Parque Dez,ou seja, antigamente, 31 anos atrás, se tinha política habitacional e todo cidadão conseguia sua casa cedo ou tarde. Hoje só se constroem condomínios, dos quais muitos em área de risco, mas ninguem toma providência, pois quase todas as construtoras são de políticos ou de seus laranjas. Ao leitor que disse que o paraense tem que voltar, isso é uma vergonha e demonstra a atual condição humana e desumana do homem. É esquecer que Manaus é um dos lugares que mais acolheu pessoas de outras regiões e esta atitude é característica do povo amazonense e nos orgulha. Paulistas, Sulistas, Fluminenses, Maranhenses, Cearenses e os Paraenses, estes últimos que são alvo de tantas piadas do nosso povo e que levam tudo na esportiva, assim como o amazonense que no Rio de Janeiro é alvo de piada porque seu carro é uma canoa e que somos paraíbas etc. Mais um dado, esses porcos devem acabar com a propaganda que fazem em tv dizendo que Manaus é rica, é melhor que quase todas as cidades, que tem emprego de sobra o que faz atrair o sujeito de outros lugares para buscar uma vida melhor em Manaus. Os ricos podem vir de qualquer lugar do Brasil, comprar suas mansões em áreas irregulares e explorar o povo amazonense, mas o pobre que vem de fora e que ajuda a contruir as mesmas mansões, que jutam o lixo de nossas casas, que vendem as nossas verduras e frutas não podem vir pra cá. O Amazonino pode morar numa mansão no Tarumã, área que deveria ser de preservação. O prefeito pode ter uma casa que é maior do que a invasão, mas o pobre não pode ter 2 metros quadrados pra deitar e depois pegar 2 ou 3 bus pra vir limpar nossas casas ou fazer o pão que comemos toda manhã. Por último relembro que tudo que Amazonio tem é oriundo de nosso dinheiro, inclusive dos milhares de paraenses que aqui moram há décadas. Como Amazonino conseguiu ficar tão rico, milionário na verdade? só sendo político.

Abraço a todos.

Marco Antonio Bentes Souza Costa disse...

Marinor, lembro de você quando ainda morava na Governador José Malcher, próximo ao Colégio São Gerônimo. Apoio a nobre senadora em todos os seus atos contra esse abominável prefeito imundo do estado vizinho ao nosso Pará. Preconceito contra os paraenses que eu sinceramente não sei como começou. Tem que haver um basta contra essas atitudes. A nobre senadora tem meu incondicional apoio.

Enigmático disse...

Isso mesmo ExmªSenadora, o Prefeito, demonstra um destempero e fomenta o rascismo desnecessário contra a migrante

Copyright © 2015 Marinor Brito

Designed by Templatezy & Copy Blogger Themes